sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Os sintomas de dor ciática


Ciática ocorre com mais freqüência em pessoas entre 30 e 50 anos de idade. Muitas vezes um determinado evento ou lesão não causa dor ciática, mas tende a se tornar algo como resultado do uso e desgaste geral sobre as estruturas da parte inferior da coluna.








Os sintomas de dor ciática

Para algumas pessoas, a dor ciática pode ser grave e debilitante. Para outros, a dor pode ser pouco frequente e irritante, mas tem o potencial de piorar.



Embora a ciática pode ser muito dolorosa, que raramente provar danos permanentes do nervo (danos nos tecidos). A maioria das síndromes de dor ciática resultado a inflamação e melhorar dentro de duas semanas a vários meses. Também, porque a medula não está presente na coluna (lombar), inferior, uma hérnia de disco nesta área de anatomia não apresenta um risco de paralisia.



Os sintomas de dor ciática, que pode constituir uma emergência médica incluem:



Fraqueza progressiva nas pernas



Bexiga incontinência intestinal / ou disfunção.



Pacientes com algum dos sintomas acima podem ter a síndrome da cauda eqüina e deve procurar atendimento médico imediato. Pacientes com fatores de complicação geralmente devem contactar o seu médico se ciática ocorre, incluindo as pessoas que: tenham sido diagnosticado com câncer, coleta de medicação esteróide: drogas de abuso, têm perdas inexplicáveis, significativa peso, ou têm o HIV.





Médico definição de ciática: radiculopatia

Para esclarecer a terminologia médica, a dor ciática prazo (muitas vezes grafada como ciática, cyatica ou Siatica) é frequentemente usado de forma muito ampla para descrever qualquer tipo de dor que se irradia para a perna. No entanto, isso não é tecnicamente correto. True ciática ocorre quando pinçada ou irritada do nervo ciático e dor ao longo do nervo ciático é causada por este nervo (dor radicular) e convocou uma radiculopatia. Quando a dor na perna refere-se a um problema comum (chamado de dor referida), usando o termo ciática não é tecnicamente correto. Este tipo de dor referida (por exemplo, a artrite ou outros problemas comuns) é bastante comum.





Ponto de vista prático: Os sintomas de dor ciática pode variar muito, mas geralmente diminuem após algumas semanas ou meses de tratamento não-cirúrgico.



O tratamento para dor ciática

A dor do nervo da ciática é causada por uma combinação de pressão e inflamação na raiz do nervo, eo tratamento se concentra em aliviar estes dois fatores. O tratamento típico para a ciática inclui:



Tratamento não-cirúrgico da ciática, Que podem incluir uma ou uma combinação de tratamentos médicos e terapias (sem alternativas) médicos, e quase sempre incluem alguma forma de exercício e alongamento. Os objetivos do tratamento não-cirúrgico da ciática deve incluir o alívio da dor ciática e prevenção dos sintomas de dor ciática futuro.



Cirurgia para dor ciáticaComo discectomia e laminectomia microdiscectomia ou lombar, retirando a parte do disco que está irritando a raiz nervosa. Esta cirurgia é concebido para ajudar a aliviar a pressão e inchaço e pode ser autorizada se a dor do nervo ciático é grave e não tem sido aliviada com tratamento médico adequado ou manual.

Ciática


Ciática






Nervo ciático

Cavalinha



Lesão do nervo ciático Leia Mais

A neuropatia periférica

Disfunção do nervo tibial

Disfunção do nervo peroneal comum

Mononeuropatia

Fracture

Cortes e feridas de punção

Tumor

Abscesso

Dormência e formigamento

Discectomia

Fusão espinal

Laminectomia

Foraminotomy Refere-se à dor, fraqueza, dormência ou formigamento na perna, causado por lesões ou compressão do nervo ciático. Ciática é um sintoma de outro problema médico, não uma doença em si.



Causas

Ciática ocorre quando há pressão ou lesão no nervo ciático. Este nervo começa na coluna e nas costas de cada perna. Esse nervo controla os músculos da parte de trás do joelho e na região da perna e proporciona sensação à parte de trás da coxa, parte da perna e pé.



As causas mais comuns de dor ciática incluem:



Síndrome do Piriforme (um transtorno de dor que envolve o músculo piriforme estreito nas nádegas)

Hérnia discal

Doença degenerativa do disco

Estenose espinhal

Ferimento ou fratura pélvica

Tumores

Sintomas

Dor ciática pode variar muito. Ele pode sentir um leve formigamento, dor surda ou uma sensação de queimação. Em alguns casos, a dor é tão grave que impede o movimento da pessoa.



A dor ocorre mais freqüentemente na lateral. Algumas pessoas têm dor aguda em uma parte da perna ou do quadril e dormência em outro lugar. As sensações também pode ser sentida na parte posterior da panturrilha ou do pé. A perna afetada pode se sentir fraca.



A dor geralmente começa lentamente. Dor ciática pode piorar:



Depois de pé ou sentado

À noite

Ao espirrar, tossir ou rir

Quando dobrar para trás ou para andar mais alguns metros, especialmente se causada por estenose espinal

Exames e Testes

Um exame neurológico das pernas por um médico ciática pode ser revelado. Pode haver fraqueza do movimento de flexão do joelho ou pé, ou dificuldade de dobrar o pé para dentro ou para baixo. Reflexos podem ser anormais, com reflexos no tornozelo fraco ou ausente. Dor abaixo do pé pode ser reproduzido por levantar a perna para cima da mesa de exame.



Testes são guiados pela suspeita de causar a disfunção, como indicado pela história, sintomas e padrão de desenvolvimento do sintoma. Eles podem incluir vários exames de sangue, raios-x, ressonância magnética ou outros exames e procedimentos.



Tratamento

Desde que a ciática é um sintoma de outra condição médica, a causa deve ser identificada e tratada.



Em alguns casos, nenhum tratamento é necessário e recuperação acontece por si mesmo.



A terapia medicamentosa é melhor em muitos casos. Seu médico pode recomendar os seguintes passos para aliviar os sintomas e reduzir a inflamação:



Aplicar calor ou gelo sobre a área da dor. Tente gelo durante as primeiras 48 a 72 horas, em seguida, usar o calor depois disso.

Tome analgésicos como ibuprofeno (Advil, Motrin IB) ou paracetamol (Tylenol).

Durante o sono, tente deitado em uma posição fetal, enrolado com um travesseiro entre as pernas. Se você costuma dormir de costas, coloque um travesseiro ou toalha enrolada sob os joelhos para aliviar a pressão.

Se as medidas em casa não ajuda, o médico pode recomendar injeções para reduzir a inflamação ao redor do nervo. Eles também podem prescrever outros medicamentos para ajudar a reduzir as dores agudas associadas com dor ciática.



Os exercícios de fisioterapia também pode ser recomendada. Tratamentos adicionais dependem da condição que está causando a dor ciática.



A dor no nervo é muito difícil de tratar. Se você tiver problemas em curso com a dor, pode ser necessário consultar um neurologista ou especialista em dor para garantir que você tenha acesso à mais ampla gama de opções de tratamento.



Previsão

Se você pode identificar a causa da disfunção do nervo ciático e tratada com sucesso, a recuperação completa é possível. O grau de deficiência varia de nenhuma deficiência perda de movimento perda de sensibilidade ou parcial ou total. A dor no nervo pode ser grave e persistir por um período prolongado.



Possíveis complicações

Perda de movimento ou de parte da perna

Perda da sensação perna parcial ou total

Lesões recorrentes ou despercebidas para a perna

Drug Side Effects

Quando entrar em contato com um profissional médico

Chame seu médico imediatamente se você tem:



Febre inexplicável com dor nas costas

Dor nas costas após um acidente vascular cerebral ou grave queda

Vermelhidão ou inchaço nas costas ou coluna

Dor pelas pernas abaixo do joelho

Fraqueza ou dormência nas nádegas, coxa, perna ou pélvis

Ardor ao urinar ou sangue na urina

A dor é pior quando você se deitar ou que acorda durante a noite

Severa dor que te impede de ser confortável

Perda de controle intestinal ou da bexiga (incontinência)

Chamada também se:



Ele tem vindo a perder peso sem querer

Você usa esteróides ou drogas intravenosas.

Ele teve dor nas costas antes, mas este episódio é diferente e você se sente pior.

Este episódio de dor nas costas já dura mais de 4 semanas.

Se algum destes sintomas está presente, o cuidado médico verifica se existem sinais de infecção (como meningite, abscesso, ou infecção urinária), ruptura de disco, estenose espinal, hérnia, câncer, pedra nos rins, testículo torcido, ou outro problema grave.



Prevenção

Prevenção varia dependendo da causa da lesão do nervo. Evite sentar ou deitar-se para a pressão prolongada nas nádegas.



Nomes alternativos

Neuropatia do nervo ciático, disfunção do nervo ciático



Referências

Clarke JA, van Tulder MW, Blomberg SE, et al. Tração para dor lombar com ou sem ciática. Cochrane Database Syst Rev. 2007; (2): CD003010.

Ciática

 Causa


Ciática é geralmente causada pela compressão de nervos lombares L4 e L5 ou nervos sacral S1, S2 ou S3, ou muito menos comum, por compressão do nervo ciático em si. Quando a dor ciática é causada pela compressão de um raiz nervosa dorsal (radix) É considerado um lombar radiculopatia radiculite (ou quando acompanhada de uma resposta inflamatória) de um hérnia de disco (uma hérnia disco intervertebral no espinha), Ou de rugosidade, ampliação e / ou desalinhando do vértebras (espondilolistese), Ou discos degenerados. Ciática devido à compressão de uma raiz nervosa é uma das formas mais comuns de radiculopatia.



Pseudosciatica ou não-discogênica ciática, o que provoca sintomas semelhantes à compressão da raiz nervosa espinhal, é causada pela compressão de partes periféricas do nervo, geralmente de tensão dos tecidos moles no piriforme ou relacionados músculos (ver síndrome do piriforme e veja abaixo).



[Editar] Hérnia de disco

Ver artigo principal: Hérnia de disco

Uma das possíveis causas da dor ciática é uma hérnia de disco pressionando em um dos The Roots nervo ciático. Os discos intervertebrais são compostos de um anel de cartilagem resistente espongiformes transmissíveis (anel fibroso) Com um centro mais maleável (núcleo pulposo). Os discos de separar as vértebras, permitindo espaço para The Roots coragem de sair adequadamente através dos espaços entre a L4, L5, e vértebras sacrais. Os discos de amortecer a coluna das forças de compressão, mas são fracos a pressão aplicada durante os movimentos de rotação. É por isso que uma pessoa que se inclina para um lado, em um ângulo ruim para pegar alguma coisa, pode ser mais provável uma hérnia de disco vertebral do que uma pessoa salta de uma escada e aterragem em seus pés.



Formação de Hérnia de disco ocorre quando o centro líquido do disco protrai para fora, arrancando o anel externo de fibras, expulsa no canal espinal e comprime uma raiz nervosa contra a lâmina ou pedículo de uma vértebra, causando dor ciática. Este líquido expulso da núcleo pulposo pode causar inflamação e inchaço do tecido circundante, que pode causar mais compressão das raízes nervosas no espaço confinado no canal espinal.



Ciática causada pela pressão de uma hérnia de disco e inchaço dos tecidos circundantes pode desaparecer espontaneamente, se o rasgo na cura de disco e de extrusão pulposo e inflamação cessar.



Ciática pode ser causada por tumores interferir na medula espinhal ou The Roots nervo. A dor lombar que se estende ao quadris e pés, perda do controle da bexiga ou intestino, ou fraqueza muscular, pode resultar de tumores espinais. Trauma da coluna vertebral, como de um acidente de carro, pode também levar à ciática.









[Editar] Estenose espinhal

Ver artigo principal: Estenose espinhal

Outras causas de compressão espinhal incluem Estenose espinhal, Uma condição em que o canal vertebral (os espaços através dos quais a roda da medula espinhal) e comprime o estreitamento da medula espinhal, cauda eqüinaE / ou raízes do nervo ciático. Esse estreitamento pode ser causado por esporões ósseos, deslocação vertebral, inflamação ou hérnia de disco o que diminui o espaço disponível para a medula espinhal, assim comprimindo os nervos da medula espinhal que viajam para o nervo ciático e irrita-los com o atrito.



[Editar] Síndrome do Piriforme

Ver artigo principal: Síndrome do Piriforme

Em 15% da população, o nervo ciático é executado através da músculo piriforme e não abaixo dele. Quando o encurta ou espasmos musculares devido a trauma ou uso excessivo, ele pode comprimir ou estrangular o nervo ciático abaixo do músculo. Condições deste tipo são geralmente referidos como armadilha neuropatiasE, no caso particular de ciática e do músculo piriforme, esta condição é conhecida como síndrome do piriforme. Tem sido coloquialmente referida como "ciática carteira", já que uma carteira transportadas em um bolso traseiro irá comprimir os músculos das nádegas e do nervo isquiático, quando o portador se senta. Piriformis síndrome pode ser a principal causa da dor ciática, quando a raiz nervosa é normal. [3] [4]



[Editar] Os pontos-gatilho

Ver artigo principal: Os pontos-gatilho

Outra fonte de sintomas ciático é pontos-gatilho ativos da região lombar e os músculos glúteos.[carece de fontes?] Neste caso, a dor referida não é conseqüente à compressão do nervo ciático, embora a distribuição da dor as nádegas e na perna é semelhante. Os pontos-gatilho ocorre quando os músculos se tornam isquêmica (com baixo fluxo sanguíneo) devido à lesão ou contração muscular crônica. Os músculos mais comumente associado com pontos-gatilho provocando ciático sintomas são: quadrado lombar, O glúteo médio, O gluteus minimus, E as profundas rotadores do quadril.[carece de fontes?]



[Editar] Gravidez

Ciática também pode ser experimentado em gravidez, Principalmente resultantes do útero pressionando o nervo ciáticoE, secundariamente, a partir da tensão muscular e / ou compressão vertebral conseqüente a carregar o peso extra do fetoE as alterações posturais inerentes à gravidez.[carece de fontes?]



[Editar] Hábitos

O risco de auto-infligido ciática tem aumentado nos últimos anos, com, por exemplo, sentado em uma carteira [5] ou pés por horas prolongadas a cada dia que pode causar auto-infligido ciática. Os sintomas de dormência e / ou dor atrás da rótula estão associados a esta forma de ciática. Work-ciática relacionada podem ser causados pela utilização de cintos de ferramenta que pendurar ao redor dos quadris e causar desalinhamento significativa das vértebras sacrais durante longos períodos de tempo.



[Editar] Diagnóstico

Por causa das muitas condições que podem comprimir as raízes nervosas e causar ciática, tratamento e sintomas, muitas vezes diferem de paciente para paciente. Os testes de diagnóstico pode vir na forma de uma série de exames médico irá executar. Os pacientes serão convidados a adoptar várias posições e ações como a de cócoras, andando em pé, inclinada para frente e para trás, rotação da coluna, sentado, deitado de costas, e levantando uma perna de cada vez. Aumento da dor irá ocorrer durante algumas destas actividades.



Se não houver melhora dos sintomas ocorreram em seis semanas ou bandeiras vermelhas estão presentes, a imagem é adequada. Estes incluem tanto o CT ou MRI.[6] Os métodos de imagem como Neurography MR pode ajudar diagnóstico e tratamento da dor ciática. Neurography MR foi mostrado para diagnosticar 95% dos pacientes com dor ciática severa, enquanto que somente 15% dos doentes com dor ciática na população em geral são diagnosticados com problemas relacionados com o disco.[7] Neurography MR é uma técnica de ressonância magnética MRI vez usando o software a fornecer melhores imagens dos nervos espinhal eo efeito de compressão sobre estes nervos. Neurography MR pode ajudar a diagnosticar a síndrome do piriforme, que é outra causa de dor ciática que não envolve hérnia de disco.[carece de fontes?]



[Editar] Tratamento

Quando a causa da ciática é devido a um prolapso ou hérnia de disco lombar 90% prolapso de disco irá resolver, sem intervenção específica. Tratamento da causa básica da compressão é necessária em casos de abscesso epidural, Tumores epidural, e síndrome da cauda eqüina.



Muitos casos de dor ciática são tratados com diferentes modalidades. Evidência de eficácia de tais medidas são, contudo, limitada.[8] Algumas dessas medidas incluem:



Anti-inflamatórios medicamentos (por exemplo, AINEs ou oral esteróides embora AINEs são mais eficazes do que uma placebo para a ciática aguda)[9]

Paracetamol (paracetamol): evidências limitadas

Narcóticos: Dor muitas vezes usado se grave

Fisioterapia / Exercícios de alongamento

Esteróide Epidural injeta: no longo prazo a melhoria nos resultados, mas alguns benefícios a curto prazo

Não-cirúrgica de descompressão espinal

Massagem terapêutica

[Editar] Cirurgia

Resolução Cirurgia velocidades de dor, porém dois anos os resultados pós-operatórios são equivalentes.[10] Em outras palavras, as chances de retornar a dor é de cerca de 50%.



Electrothermoplasty intradiscal (IDET)

Uma agulha é introduzida no disco afetado, guiados por X-ray. Um fio é então enfiada para baixo através da agulha e no disco até que ele encontra ao longo da parede interna do anel. O fio é então aquecido que destrói as fibras nervosas de pequeno porte que têm crescido nas rachaduras e invadiram o disco degenerar. O calor também parcialmente derrete o anel, o que provoca o corpo para gerar novas proteínas reforço nas fibras do anel.[carece de fontes?]



Radiofreqüência Discal Nucleoplastia (Coblation Nucleoplastia)

Uma agulha é introduzida no disco afetado, embora em vez de um fio de aquecimento, uma sonda especial de RF (radiofreqüência) é usado. Esta sonda gera um campo de plasma altamente focalizado com energia suficiente para romper as ligações moleculares do gel no núcleo, essencialmente alguns vaporização do núcleo. O resultado é que 10-20% do núcleo é removido que descomprime o disco e reduz a pressão tanto no disco e The Roots nervosas vizinhas. Esta técnica pode ser mais benéfico para o tipo de dor ciática que o IDET, Desde Nucleoplastia pode realmente reduzir o inchaço do disco, que está pressionando uma raiz nervosa. O campo de plasma de alta energia é gerado a temperaturas relativamente baixas, de modo perigo para a tecidos circundantes é minimizado.[11]

Hernia de disco


Hérnia de disco


O que é uma hérnia de disco?

Por Jonathan Cluett, M.D., About.com

Hernia de disco

Muitos pacientes com dores lombares, dor na perna, ou fraqueza dos músculos inferiores são diagnosticados com uma hérnia de disco. Quando ocorre uma hérnia de disco, a almofada que fica entre as vértebras da coluna é empurrado para fora da sua posição normal. A hérnia de disco não seria um problema se não fossem os nervos espinhais que são muito perto da borda destes discos espinhal.

Qual é o disco vertebral?

O disco vertebral é uma almofada macia que fica entre cada vértebra da coluna. Este disco vertebral torna-se mais rígida com a idade. Em um indivíduo jovem, o disco é macia e elástica, mas como muitas outras estruturas do corpo, o disco gradualmente perde sua elasticidade e fica mais vulnerável a lesões. Na verdade, mesmo em indivíduos a partir dos 30, ressonância magnética mostram evidência de deterioração do disco em cerca de 30% das pessoas.



O que acontece com uma "hérnia de disco"?

Como o disco vertebral torna-se menos elástica, pode romper. Quando o disco de ruptura, uma porção do disco vertebral empurra para fora do seu limite normal - isso é chamado de uma hérnia de disco. Quando uma hérnia de disco protrai para fora entre as vértebras, os nervos espinhais e medula espinhal podem tornar-se comprimido. Existe normalmente um pouco maior em torno da medula espinal e os nervos, mas se o suficiente da hérnia de disco é empurrado para fora do lugar, então, essas estruturas podem ser compactados.



O que causa os sintomas de uma hérnia de disco?

Quando as rupturas hérnia de disco e empurra para fora, os nervos podem tornar-se comprimido. A hérnia de disco pode ocorrer de repente em um evento, como uma queda ou um acidente, ou pode ocorrer gradualmente com o esforço repetitivo da coluna vertebral. Muitas vezes as pessoas que experimentam uma hérnia de disco já tem Estenose espinhal, Um problema que causa o estreitamento do espaço ao redor da medula espinhal e nervos espinhais. Quando ocorre uma hérnia de disco, o espaço para os nervos é ainda mais reduzida, e irritação dos resultados do nervo.



Quais são os sintomas de uma hérnia de disco?

Quando a medula espinhal ou nervos se comprimem, eles não funcionam corretamente. Isto significa que os sinais anormais podem receber passou de nervos comprimidos ou sinais não pode ficar passada em tudo. Os sintomas comuns de uma hérnia de disco incluem:





Electric Shock Pain

A pressão sobre o nervo pode causar sensações anormais, geralmente experientes como as dores de choque elétrico. Quando a compressão ocorre na cervical (pescoço) na região, os choques descer seus braços, quando a compressão é nas costas (lombar baixo) na região, os choques descer as pernas.



Formigamento e dormência

Os pacientes freqüentemente têm sensações anormais como formigamento, dormência ou formigamento. Estes sintomas podem ser experimentados na mesma região tão dolorosa sensação de choque elétrico.



A fraqueza muscular

Por causa da irritação do nervo, os sinais do cérebro pode ser interrompido, causando fraqueza muscular. Irritação do nervo também pode ser testada através da análise dos reflexos.



Problemas intestinais ou da bexiga

Estes sintomas são importantes, pois pode ser um sinal de síndrome da cauda eqüina, Uma condição possível resultante de uma hérnia de disco. Esta é uma emergência médica, e deve o seu consulte o seu médico imediatamente se tiver problemas em urinar, evacuações em conta, ou se você tiver dormência em torno de seus órgãos genitais.

Todos estes sintomas são devido à irritação do nervo da hérnia de disco. Por interferir com o caminho pelo qual os sinais são enviados do cérebro para fora de suas extremidades e de volta para o cérebro, todos esses sintomas podem ser causadas por uma hérnia de disco pressionando os nervos.



Como é o diagnóstico de uma hérnia de disco feito?

Na maioria das vezes, o médico pode fazer o diagnóstico de uma hérnia de disco, através de exame físico. Pela sensação de teste, a força muscular, e os reflexos, o seu médico muitas vezes pode estabelecer o diagnóstico de uma hérnia de disco.



Uma ressonância magnética é comumente utilizada para auxiliar no diagnóstico de uma hérnia de disco. É muito importante que os pacientes entendem que a RM é útil apenas quando usada em conjunto com os resultados de exame. Ele é normal para uma ressonância magnética da coluna lombar para ter anomalias, Especialmente porque as pessoas envelhecem. Pacientes em seu 20s podem começar a ter sinais de desgaste do disco, E este tipo de desgaste que seria esperado na ressonância magnética de pacientes em seu 40s e 50s. Esta é a razão que o médico não pode estar preocupado com alguns resultados de MRI assinalado pelo radiologista.



Fazer o diagnóstico de uma hérnia de disco, e esbarra com um plano de tratamento depende dos sintomas experimentados pelo paciente, os achados de exame físico, e os raios-x e os resultados de MRI. Apenas uma vez esta informação é unir um plano de tratamento pode ser considerado razoável.

Hérnia discal (hérnia de disco)


Hérnia discal (hérnia de disco)


Imagens



Spine

Nervo ciático



Núcleo pulposo

Reparar uma hérnia de disco



Cirurgia da coluna lombar - série Leia Mais

Strain

Discectomia É um disco deslocado hérnia de disco ou ao longo da medula espinhal. A condição ocorre quando a totalidade ou parte do centro macio de um disco vertebral é forçado por uma parte enfraquecida do disco.



Causas, incidência e risco

Os ossos da coluna vertebral ou vértebras correndo na volta, ligando o crânio até a pelve. Estes ossos proteger os nervos que emergem do cérebro, as costas e, em seguida, viajar de lá todo o corpo. As vértebras são separadas por discos cheios de uma substância, macio gelatinosa, que fornecem o amortecimento da coluna vertebral. Estes discos podem herniate (sair do lugar) ou ruptura de trauma ou esforço.



A coluna vertebral é dividida em vários segmentos: a coluna cervical (pescoço), coluna torácica (parte da volta por trás do tórax), coluna lombar (inferior das costas) e sacral da coluna (a parte ligada à pélvis).



Radiculopatia se refere a qualquer doença que afeta The Roots nervo espinhal. A hérnia de disco é uma causa de radiculopatia (dor ciática).



A maioria das hérnias ocorre na região lombar ou na área da coluna lombar. Hérnia de disco lombar ocorre 15 vezes mais hérnia de disco cervical (pescoço) e é uma das causas mais comuns de dor nas costas. Por seu turno, os discos cervicais são afetados 8% dos casos, enquanto que os discos de mid-back (torácica) em apenas 1 a 2%.



Raízes nervosas (nervos grandes que se ramificam da medula espinal) pode tornar-se compactados, resultando em sintomas neurológicos, como alterações sensoriais ou motoras.



Hérnia de disco ocorre mais freqüentemente em pessoas de meia idade e homens idosos, especialmente aqueles envolvidos em atividade física extenuante. Outros fatores de risco incluem qualquer condição congênita que afeta o tamanho do canal vertebral lombar.



Sintomas

SINTOMAS DE DISCO LOMBAR hérnia:



Espasmo muscular

A fraqueza muscular ou atrofia em fases posteriores

Dor irradiada para as nádegas, pernas e pés

Dor que piora com tosse, esforço, ou rir

Severa dor lombar

Formigueiro ou dormência nas pernas ou nos pés

SINTOMAS DE disco cervical hérnia:



Fraqueza dos músculos do braço

Dor Deep próximo ou sobre a escápula do lado afetado

A dor de gargantaEspecialmente na parte traseira e laterais

Aumento da dor quando a flexão do pescoço ou virar a cabeça para um lado

Dor irradiada para o ombro, braço, antebraço, e raramente a mão, os dedos ou no peito

Agravamento da dor ao tossir, esticar, ou rir

Espasmos dos músculos do pescoço

Exames e Testes

Uma história e exame físico de dor pode ser suficiente para diagnosticar uma hérnia de disco. O médico realizar um exame neurológico para avaliar os reflexos musculares, sensação e força muscular. Muitas vezes, o exame da coluna vertebral irá revelar uma diminuição na curvatura da coluna na área afetada.



A dor na perna que ocorre quando a pessoa se senta na mesa de exame e levantar a perna para cima geralmente sugere a presença de uma hérnia de disco lombar.



Teste de compressão foraminal de Spurling é feito para diagnosticar radiculopatia cervical. Para este teste, você vai se curvar a cabeça para frente e laterais, enquanto o médico aplica uma pressão descendente leve na parte superior da cabeça. Em geral, aumento da dor ou dormência durante este teste é indicativo de radiculopatia cervical.



TESTES DE DIAGNÓSTICO



Você pode fazer uma EMG para determinar exatamente o que a raiz nervosa comprometida.

Você também pode praticar um teste velocidade de condução nervosa.

Você pode fazer uma mielografia para determinar o tamanho ea localização da hérnia de disco.

Ressonância magnética ou Espinha CT revelar a compressão do canal vertebral pela hérnia de disco.

Você pode ter uma radiografia de coluna vertebral para afastar outras causas de dor nas costas ou no pescoço. No entanto, é possível diagnosticar uma hérnia de disco só através de um raio-x da coluna.

Tratamento

O principal tratamento para a hérnia de disco é um período curto de descanso, com dor e anti-medicamentos inflamatório seguido de fisioterapia. A maioria das pessoas que seguem esses tratamentos, recuperação e retorno às atividades normais. Um pequeno número de pessoas precisam de tratamento adicional pode incluir injeções de esteróides ou cirurgia.



MEDICAMENTOS:



As pessoas com uma hérnia de disco súbita causada por algum tipo de lesão (como um acidente de carro ou levantar um objeto pesado), imediatamente seguido por dor nas costas e dor nas pernas medicação será administrada narcóticos e anti-drogas inflamatórios (AINEs).



Se o paciente tem de volta espasmos, relaxantes musculares normalmente são dadas, e em casos raros, os esteróides podem ser administrado por comprimido ou diretamente no sangue através de uma injecção intravenosa (IV).



AINEs são utilizados para controlar a dor prolongada, mas narcóticos pode ser dada se a dor não responde aos anti-drogas inflamatórios.



Lifestyle Changes:



Qualquer peso extra a ser transportada por um indivíduo, especialmente na parte dianteira superior do abdômen, dor nas costas pior. Exercícios e dieta são cruciais para melhorar a dor nas costas em pacientes com sobrepeso.



A fisioterapia é importante para quase todas as pessoas com doença do disco. Terapeutas vai dizer a pessoa como fazer corretamente elevador, andar, vestir-se e realizar outras atividades. Eles também irá trabalhar no fortalecimento dos músculos do abdômen e região lombar para ajudar a sustentar a coluna vertebral. A flexibilidade da coluna e as pernas é ensinado em muitos programas de fisioterapia.



Alguns médicos recomendam o uso de chaves (cinta) para as costas, a fim de ajudar a sustentar a coluna vertebral. No entanto, o uso excessivo desses dispositivos podem enfraquecer os músculos abdominais e nas costas, levando a um agravamento do problema. Cintas especial para levantar pesos pode ser útil na prevenção de lesões em pessoas cujo trabalho exige trabalho pesado.



INJEÇÕES



As injeções de esteróides na área traseira, onde está localizada a hérnia de disco pode ajudar a controlar a dor durante vários meses. Essas injecções reduzir o inchaço em torno do disco e aliviar muitos sintomas. As injeções espinhais, normalmente são feitos em nível ambulatorial utilizando radiografia ou fluoroscopia para identificar a área onde a injeção é necessária.



CIRURGIA:



A cirurgia pode ser uma opção para os poucos pacientes cujos sintomas persistirem, apesar de outros tratamentos.



Discectomia remove um disco salientes. É um procedimento que requer anestesia geral (dormindo e sem dor) e uma internação hospitalar de 2 a 3 dias. Você será incentivado a andar no primeiro dia após a cirurgia para reduzir o risco de coágulos de sangue.



A recuperação total leva várias semanas. Caso seja necessário remover mais de um disco, ou se outros problemas nas costas, além de uma hérnia de disco, pode ser necessária uma cirurgia mais extensa, o que pode exigir um período de recuperação muito mais tempo.



Outras opções cirúrgicas incluem microdiscectomia, Um procedimento de remoção de fragmentos de disco nucleadas através de uma incisão muito pequena.



Quimonucleólise envolve injetar uma enzima (chamado quimopapaína) na hérnia de disco para dissolver a substância gelatinosa salientes. Este procedimento pode ser uma alternativa à discectomia em determinadas situações.



Expectativas (prognóstico)

A maioria das pessoas melhora com o tratamento de drogas e apenas uma pequena percentagem continua a sofrer de dor lombar crônica, mesmo após o tratamento.



Pode demorar vários meses a um ano ou mais para retomar todas as atividades sem dor ou tensão na parte traseira. É possível que pessoas com certas profissões que envolvem trabalho pesado ou esticar as costas tem que mudar as atividades de trabalho para evitar a lesão nas costas recorrentes.



Complicações

Crônica dor nas costas

Perda de movimento ou sensibilidade nos pés ou pernas

Perda da função da bexiga e do intestino

Link lesão da medula espinhal (muito raro)

Chamando os seus cuidados de saúde

Chame seu médico se tiver dores fortes nas costas e persistente, especialmente se você sentir qualquer dormência, perda de movimento, fraqueza ou alterações intestinais ou da bexiga.



Prevenção

Práticas de segurança no trabalho e jogo, o domínio das técnicas de levantamento e controle de peso pode ajudar a prevenir lesões dorsais em algumas pessoas.



Nomes alternativos

Radiculopatia cervical, hérnia de disco, hérnia de disco intervertebral, radiculopatia lombar, prolapso do disco intervertebral, disco, hérnia de disco



Referências

Chou R, Huffman LH. Medicamentos para dor nas costas aguda e crônica: uma revisão da evidência para um American Pain Society / American College of Physicians diretriz de prática clínica. Ann Intern Med.. 2007, 147:505-514.



Chou R, Huffman LH. Terapias não-medicamentosas para dor nas costas aguda e crônica: uma revisão da evidência para um American Pain Society / American College of Physicians diretriz de prática clínica. Ann Intern Med.. 2007, 147:492-504.



Chou R, Huffman LH. Diagnóstico e tratamento da dor lombar: uma revisão da evidência para um American Pain Society / American College of Physicians diretriz de prática clínica. Ann Intern Med.. 2007, 147:478-491.



Actualização: 7/10/2009

Versão revista do Inglês C. Benjamin Ma, MD, Professor Assistente, Chefe da Medicina do Esporte e do ombro de serviço, departamento de UCSF da cirurgia ortopédica. Também revisado por David Zieve, MD, MHA, Diretor Médico, o ADAM, Inc.

quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

Osteoporose Previna-se contra fraturas ósseas


Osteoporose


Previna-se contra fraturas ósseas

Caracteriza-se por um declínio na densidade mineral óssea, que resulta, muitas vezes, em fraturas graves .

O pico de massa óssea é atingido entre os 20 e os 30 anos e após o mesmo, grande parte dos adultos perde densidade óssea todas as décadas. Um processo que é acelerado por fatores como:

- Menopausa: a falta de estrogénio ativa determinadas células, os osteoblastos, que decompõem o osso, libertando o cálcio que existe no mesmo para a corrente sanguínea, razão pela qual a incidência de osteoporose é bastante mais elevada em mulheres pós-menopáusicas;

- Sedentarismo: o osso é um tecido vivo, que necessita de estímulo, dado pelo exercício, para se remodelar;

- Dieta pobre em nutrientes necessários para a formação de tecido ósseo;

- Tabagismo;

- Consumo excessivo de álcool e de café.

Ao eliminarmos estes factores, reduzimos a perda de massa óssea, e de acordo com alguns estudos, torna-se possível até aumentar a densidade mineral óssea, ou seja reverter a doença.

Para tal, é necessário combinar um programa de exercício (o treino com pesos é o que garante maiores resultados) com uma alimentação rica nos nutrientes necessários para a formação de osso, que, infelizmente a nossa dieta não fornece em quantidades suficientes.

Combate à Osteoporose

Alimente bem os seus ossos

1000 a 1500mg Cálcio

300 a 500mg Magnésio

100mcg (pelo menos) Vitamina K

15mg (pelo menos) Zinco

3 mg (pelo menos) Boro

2mg (pelo menos) Manganês

3mg (pelo menos) Silício

300mcg (pelo menos) Cobre

10 a 20mcg Vitamina D

100mg (pelo menos) Vitamina C

5mg (pelo menos) B6

20mcg (pelo menos) B12

400mcg (pelo menos) Ácido Fólico

As mulheres pós-menopáusicas devem, ainda, suplementar a dieta com isoflavonas da soja, na medida em que vários estudos demonstram que estas activam os receptores de estrogénio, evitando, assim, a degradação do osso que a falta desta hormona causa.

Osteoartrose

A eficácia de uma suplementação segura nas articulações

Estima-se que 70 a 80% da população com mais de 50 anos sofra de osteoartrose (OA), doença que se caracteriza por uma degeneração da cartilagem (tecido esponjoso que separa dois ossos, evitando, assim que os dois toquem um no outro) e da membrana sinovial (que lubrifica a cartilagem).

A terapêutica normal consiste em fármacos não esteróides anti-inflamatórios, que apenas atenuam sintomas, não resolvendo o problema, chegando mesmo alguns deles a acelerar o processo degenerativo.

Felizmente, existem dois suplementos muito estudados que revelaram não só travar o processo degenerativo, como até revertê-lo. Falamos do sulfato de glucosamina e do sulfato de condroitina.

A glucosamina é produzida pelo organismo para formar cartilagem, mas à medida que envelhecemos vamos produzindo cada vez menos, o que torna o recurso a suplementos uma necessidade, existindo vários estudos a comprovar a sua eficácia no tratamento da OA. Do mesmo modo, a administração de sulfato de condroitina (que é um dos maiores componentes da cartilagem), em pacientes com OA, travou a progressão da doença. Assim, recomenda-se 1500mg de sulfato de glucosamina e 1200mg de sulfato de condroitina durante, pelo menos, dois meses.

Novidades científicas

Estudos clínicos fornecem provas cada vez mais evidentes da eficácia do tratamento com glucosamina e sulfato de condroitina. Nos Estados Unidos, mais de 3200 doentes com osteoartrite do joelho testaram, durante 24 semanas, diferentes terapêuticas para alívio da dor: glucosamina ou sulfato de condroitina isoladas, combinadas, um placebo e um fármaco anti-inflamatório (celecoxib). No final do período, o grupo que indicou maior redução de dor foi o suplementado com uma combinação diária de 500 mg glucosamina e 400mg de sulfato de condroitina. O estudo vai ser apresentado em Novembro, no Encontro Anual de do Colégio Americano de Reumatologia, uma das entidades mais conceituadas ao nível da Reumatologia mundial.

Produtos Recomendados:

Ecobone

Prevenção e tratamento da osteoporose

Este suplemento alimentar é especialmente indicado na prevenção e tratamento da osteoporose, recuperação de fracturas e fortalecimento ósseo.

A sua fórmula é composta por nutrientes essenciais – vitaminas, minerais oligoelementos e aminoácidos – para a saúde dos ossos, articulações e ligamentos. Contém também uma fonte de soja fermentada, com elevado teor de isoflavonas, altamente absorvíveis pelo organismo, e que ajudam a prevenir a perda de massa óssea. Ecobone contém ainda, por dose, metade da Dose Diária Recomendada de cálcio e uma elevada concentração de vitamina D (reduz o risco de fracturas por osteoporose), zinco, magnésio, vitamina B6, B12, C, K e ácido fólico.

Embalagem: 60 comprimidos.

Reumaplus

Combate a artroses e doenças reumáticas

Suplemento nutricional para as articulações à base de sulfato de condroitina e glucosamina. Estas duas substâncias naturais promovem, em conjunto, a manutenção e reparação das cartilagens e articulações, inibindo a progressão das doenças reumáticas. Reumaplus é eficaz no alívio da dor e inflamação, regenerando a cartilagem deteriorada, sendo indicado no tratamento de doenças osteoarticulares degenerativas, como artroses e espondiloses. Recomendado também para a recuperação de atletas que sofram lesões nas articulações e como preventivo das doenças reumáticas a partir da meia-idade.

Embalagem: 120 cápsulas



Ecoreuma

Anti-inflamatório natural

Ecoreuma é uma fórmula natural obtida a partir de extractos fluidos de plantas medicinais com grande poder anti-inflamatório. Contém unha-do-diabo, salgueiro-branco, urtiga e groselheira negra, conferindo uma acção anti-inflamatória e analgésica no tratamento de artrite reumatóide, osteoporose e gota. Ecoreuma é também um suporte nutricional para a saúde das articulações, tornando-as mais saudáveis e flexíveis, promovendo a eliminação dos agentes inflamatórios causadores de agressão articular, como o ácido úrico. Composto por uma elevada concentração de vitamina C, cujas propriedades antioxidantes protegem ainda as articulações dos radicais livres.

ARTROSE


Por Êidina Queiroz


ARTROSE

Sinonimos e Nomes Populares:

Osteoartrose, doença articular degenerativa. Os pacientes com freqüência referem-se à Osteoartrite como artritismo.

(Dr. Mauro W. Keiserman)



O que é?

É a doença articular mais freqüente e a cartilagem é o tecido inicialmente alterado. A cartilagem está aderida à superfície dos ossos que se articulam entre si. É formada por um tecido rico em proteínas, fibras colágenas e células.



Como se desenvolve?

A Osteoartrite (OA) tem início quando alguns constituintes protéicos modificam-se e outros diminuem em número ou tamanho. Há tentativa de reparação através da proliferação das células da cartilagem mas o resultado final do balanço entre destruição e regeneração é uma cartilagem que perde sua superfície lisa que permite adequado deslizamento das superfícies ósseas.

Este processo acompanha-se de liberação de enzimas que normalmente estão dentro das células cartilaginosas. A ação destas enzimas provoca reação inflamatória local a qual amplifica a lesão tecidual. Aparecem erosões na superfície articular da cartilagem que fica como se estivesse cheia de pequenas crateras. A progressão da doença leva ao comprometimento do osso adjacente o qual fica com fissuras e cistos.

Ao mesmo tempo, aparentemente como uma tentativa de aumentar a superfície de contato e procurando maior estabilidade, o osso prolifera. Mas não é um osso normal, sendo mais rígido e mais suscetível a microfraturas que ocorrem principalmente em articulações que suportam peso.

Aparentemente devido à reação inflamatória local todos os elementos da articulação sofrem hipertrofia: cápsula, tendões, músculos e ligamentos. As articulações sofrem aumento de volume e podem estar com calor local.

O grau de comprometimento é bastante variado. A doença pode evoluir até a destruição da articulação ou estacionar a qualquer momento. Há indivíduos que têm deformidades nos dedos e que nunca sentiram dor e outros que terão dor e progressiva piora da doença com conseqüentes deformidade e diminuição da função articular.

Não se conhece o gatilho inicial da Osteoartrite. Acredita-se que mecanismos diferentes levem às mesmas alterações na função e composição das estruturas articulares.



Freqüência

A doença torna-se evidente a partir dos 30 anos de idade. Estima-se que 35% das pessoas já tenha Osteoartrite (OA) em alguma articulação nesta idade, sendo a grande maioria sem sintomas. Joelhos e coluna cervical são os locais mais atingidos. Aos 50 anos aumenta muito a prevalência e a partir da década dos 70 anos 85% dos indivíduos terão alterações ao RX.



Fatores de risco

Osteoartrite (OA) nos dedos das mãos é mais freqüente em mulheres e tem grande incidência familiar, favorecendo um mecanismo genético.

Osteoartrite em articulações que recebem carga, como quadris e joelhos, são mais freqüentes em obesos o mesmo podendo acontecer com a coluna vertebral.

Defeitos posturais como pernas arqueadas ou pernas em xis favorecem Osteoartrite de joelhos. Posição inadequada do fêmur em relação à bacia leva à degeneração cartilaginosa em locais específicos da articulação coxo-femural.

Do mesmo modo, defeitos nos pés levarão à instalação de Osteoartrite, sendo o joanete o melhor modelo. Entretanto, há pacientes que sofrem outro tipo de OA no dedo grande do pé que não se relaciona com defeito postural.

Hiperelasticidade articular, mais comum em mulheres, pode permitir que as superfícies articulares ultrapassem seus limites anatômicos e a cartilagem, deslizando em superfícies duras, sofre erosão. Osteoartrite OA entre fêmur e rótula (femuropatelar) é um exemplo comum.

Doenças metabólicas como diabete e hipotireoidismo favorecem o desenvolvimento de Osteoartrite.

Outras doenças que afetam a cartilagem como artrite reumatóide, artrite infecciosa e doenças por depósitos de cristais (gota e condrocalcinose) podem apresentar-se com o mesmo tipo de lesão e são rotuladas como Osteoartrite (OA) secundária.



Manifestações clínicas

O que se sente?

Antes da dor, os pacientes com OA podem reclamar de desconforto articular ou ao redor das articulações e cansaço. Posteriormente, aparece dor e, mais tarde, deformidades e limitação da função articular. No início, a dor surge após uso prolongado ou sobrecarga das articulações comprometidas.

Mais tarde, os pacientes reclamam que após longo período de inatividade como dormir ou sentar-se por muito tempo em Osteoartrite de quadrís ou joelhos, há dor no início do movimento que permanece alguns minutos.

São exemplos a dor discreta com rigidez que dura alguns minutos nos dedos pela manhã e nos joelhos também de manhã ou após algum tempo sentado. Nos pacientes que têm piora progressiva a dor fica mais forte e duradoura e as deformidades acentuam-se.

Na Osteoartrite de quadrís e joelhos, subir e descer escadas fica mais difícil assim como caminhadas mais longas.

A inflamação pode produzir aumento do líquido intra-articular. Nestas situações a dor aumenta, os movimentos ficam mais limitados e a palpação articular evidencia calor local além da presença do derrame.

Acredita-se que só o fato de uma articulação estar comprometida já é suficiente para que se desenvolva atrofia muscular, mas certamente a falta de movimentos completos e a inatividade são fatores coadjuvantes importantes. Em casos extremos, os pacientes necessitam fazer uso de bengalas ou muletas. Raramente um paciente com Osteoartrite de quadris ou joelhos vai para cadeira-de-rodas.



Osteoartrite (OA) das mãos.

É mais freqüente em mulheres. Pode haver comprometimento exclusivo das articulações próximas às unhas (interfalangianas distais). Após lenta evolução que não obrigatoriamente acompanha-se de dor e vermelhidão estas articulações ficam com proeminências ósseas duras e de distribuição irregular.

Com menor freqüência, podem ocorrer lesões semelhantes nas articulações interfalangianas proximais. A capacidade de preensão pode ficar bastante comprometida.

Local comumente envolvido é a articulação abaixo do polegar (trapéziometacarpiana). Com freqüência esta articulação, em ambas mãos, é a única envolvida.

A gravidade é bastante variável. Pode não afetar a função das mãos mas há casos de deslocamento do polegar para a região palmar e dor forte ao segurar-se objetos.



Osteoartrite (OA) dos pés

É comum o joanete. É o resultado de um defeito da posição dos ossos que formam a articulação do grande artelho com o médio-pé.

A Osteoartrite é conseqüente ao desgaste da cartilagem e do osso adjacente e conseqüente proliferação óssea anormal. Atrito provocado pelo uso de calçados forma uma bursa (cisto abaixo da pele) que inflama e dói.

Vários defeitos posturais ou da mecânica dos pés que não são corrigidos com calçados apropriados, exercícios, palmilhas ou cirurgia levam a lesões cartilaginosas e conseqüente OA. Os pés podem ficar bastante deformados e rígidos, dificultando a marcha e o uso de calçados.



Osteoartrite (OA) dos quadris (coxartrose)

A grande maioria das coxartroses é secundária a defeitos da bacia ou fêmur congênitos ou adquiridos precocemente.

Quando as duas articulações estão envolvidas, obesidade deve ser um fator importante. A dor pode localizar-se na virilha, nádega, parte externa ou interna da coxa e, menos freqüentemente, irradiar-se ou ser unicamente no joelho. Em todas as situações haverá progressiva limitação dos movimentos da coxa, sendo comum dificuldade para colocar calçados e vestir calças.



Perguntas que você pode fazer ao seu médico:

Esta doença tem cura?

Qual a finalidade do tratamento?

O tratamento é esta receita somente ou devo repetí-la?

Há interferência com outros remédios que estou usando?

Quais os efeitos colaterias? Devo fazer exames de controle?

Existem problemas com obesidade e dieta?

Qual a importância de exercícios e repouso?

Que cuidados devo ter com meus hábitos diários, profissionais e de lazer?

Artrose e as dores articulares


Se a artrose e as dores articulares reduzem a sua actividade e liberdade de movimentos, este suplemento alimentar interessa-lhe.








Primeiro temos a sensação de que as articulações e especialmente os joelhos estão “enferrujados” e dolorosos.







As articulações são as zonas onde duas extremidades ósseas se tocam, sendo cada uma delas recoberta de cartilagem. Para que elas deslizem confortavelmente, uma sobre a outra, correctamente, esta cartilagem deve estar em bom estado. Ela tem que agir como um “amortecedor” sempre que as extremidades ósseas se põem em movimento.







Nos casos de artrose a cartilagem vai-se usando progressivamente, perde, pouco a pouco a elasticidade e torna-se menos resistente aos choques e fricções.







Pouco a pouco o processo de degradação inicia-se. As articulações tornam-se cada vez mais rígidas e dolorosas limitando os movimentos e a nossa actividade no dia a dia.















Glucosamina um composto natural que regenera a cartilagem















A glucosamina é uma substância que está naturalmente presente nas articulações e que é necessária à cartilagem e ao líquido sinovial.







Desde os primeiros sinais de artrose mesmo moderada ou ligeira, a toma de sulfato de glucosamina é indispensável para aliviar e manter a mobilidade.







Há também certas medidas que podem ajudar e que devem ser adoptadas: calçado apropriado, evitar o excesso de peso, uma alimentação sã e uma actividade física apropriada e regular.















Avalie a saúde e mobilidade dos seus joelhos:















□ Ao levantar-se sente rigidez nos joelhos?















□ Tem dificuldade em andar muito tempo por causa dos joelhos?















□ Subir e descer escadas é difícil para si?















□ Sente a sensação de que os joelhos estão “enferrujados”?















□ Ao fazer movimentos de flexão completa sente a articulação presa, sobretudo na parte final do movimento?















□ Teve de abandonar um desporto ou actividade física porque era muito doloroso ao nível da articulação do joelho?

Diagnóstico da Artrose ou Osteoartrite


Diagnóstico da Artrose ou Osteoartrite




Como você sabe se tem Osteoartrite ou artrose?

Geralmente uma artrose, também conhecida como Osteoartrite lentamente, aparece. No começo da artrose, Osteoartrite ou, como articulações pueden doer depois de Atividade Física. Posteriormente, a dor pode ficar mais persistente ea pessoa también rigidez nas articulações sentir, particularmente depois de acordar de manhã ou de estar em uma POSIÇÃO por muito tempo. Embora uma artrose POSSA ocorrer em qualquer articulação, ela mais freqüentemente ataca as mãos, joelhos, quadril e espinha (tanto no pescoço quanto na região lombar). As diferentes características da artrose depende das articulações afetadas.









Informações sobre as articulações mais freqüentemente afetadas pela artrose



Mãos - Artrose nas mãos parece ter algumas características hereditárias. Se a sua mãe ou avó teve artrose nas mãos, você sofre um risco maior de ter também. Mulheres tem maior probabilidade de Desenvolver artrose nas mãos, sendo que A maioria dos casos acontece depois da menopausa. Quando a artrose desenvolve-se nas mãos, pequenas saliências ósseas pueden aparecer nas extremidades das articulações dos dedos (aquelas perto das unhas). Saliências ósseas similares pueden aparecer nas articulações dos dedos médias. Os dedos Inchados pueden ficar, doloridos, duros e entorpecidos. A articulação da base do polegar também é comumente afetada pela artrose.



Joelhos - As articulações dos joelhos estão entre as mais comumente afetadas pela artrose. Sintomas de artrose não rigidez Incluem joelho, inchaço e dor, que Tornam difícil andar, subir escada, sentar e levantar de cadeiras e banheiras. Artrose nos joelhos pode ser desabilitante.





Quadril - Outro local comum de artrose é o quadril. Assim como uma artrose nos joelhos, não os sintomas da quadril Incluem rigidez e dor na articulação própria. Porém, em algum casos, a dor é sentida virilha nas nádegas, coxas e até nos joelhos. Artrose não pode Limitar quadril um Movimentação, Tornando atividades cotidianas, como vestir-se e um sapato colocar um desafio,.



Espinha - Artrose na espinha como pode aparecer rigidez e dor no pescoço ou região lombar. Em alguns casos, alterações na espinha relacionadas à artrose pueden causar pressão nos nervos da coluna onde eels saem espinhal, resultando em fraqueza ou entorpecimento dos braços ou pernas.









Como os médicos fazem o diagnóstico da artrose?

Capaz Não há um teste unicamente diagnosticar de uma artrose. A maioria dos médicos utiliza uma COMBINAÇÃO dos métodos a seguir para diagnosticar artrose e eliminar outras CONDIÇÕES QUE POSSAM OS estar causando sintomas.



Histórico clínico. O médico começa pedindo ao paciente que descreva os sintomas, quando e como eles começaram e também como evoluíram com o tempo. O médico também perguntará por outros problemas médicos que o paciente e membros próximos da família e sobre Têm medicamentos Tomados pelo paciente. Respostas acuradas um essas perguntas Podem ajudar o médico a fazer o diagnóstico e entender o impacto que tem uma doença na vida do paciente.





Exame físico - O médico checa os reflexos do paciente e saúde geral, incluindo força muscular. Ele exame também como articulações que incomodam e observa uma habilidade do paciente de caminhar, abaixar-se e desempenhar outras atividades do cotidiano.



Raio-x - Os médicos requisitam raio-x para ver o quanto a articulação foi danificada. Raios-x da articulação afetada mostrar coisas encontradas como perda de cartilagem, ósseo dano e esporões. Porém, freqüentemente há uma grande diferença entre uma gravidade da artrose mostrada sem raio-x eo grau de dor e motores problemas enfrentados pela paciente. Ainda, raio-x não mostra os danos iniciais da artrose antes que haja muita perda de cartilagem.









Ressonância magnética - A ressonância magnética revelar imagens computadorizadas de alta resolução dos tecidos internos do corpo. Esse procedimento um E.U.A. Ímã potente que passa pelo corpo Criar para as imagens. Médicos usam Geralmente ressonância magnética se há dor e os achados do raio-x e sugerem uma danos foram mínimos outros tecidos das articulações, como um ligamento ou o menisco.



Outros exames - O médico pode requisitar teste de sangue para eliminar outras causas dos sintomas. Ele também pode pedir uma aspiração da Articulação Através de uma agulha e examinar o fluido sob microscópio.



Geralmente não é difícil dizer ao paciente que ele tem artrose. O mais difícil é dizer se é uma artrose que está causando os sintomas. Artrose é tão comum, especialmente em idosos, que os sintomas que parecem ser causados encontradas por ela na verdade ser Decorrentes de outra condição médica. O médico Tentara descobrir o que está causando os sintomas ao identificar e eliminar outras desordens Condições que pueden estar os sintomas piorando. A gravidade dos sintomas da artrose pode ser influenciada em grande escala pela atitude do paciente, ansiedade, depressão e nível de atividade diária.

quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

O que é artrose?


O que é artrose?




"A artrose É um processo degenerativo de desgaste da cartilagem, que Afeta tudo sobre como ou peso que suportam as articulações que fazem movimentos em excesso, como por exemplo as cadeiras, os joelhos ou os pés ", destaca a Dra.. Dubinsky Diana, médica reumatologista do Centro Antirreumático do Hospital de Clínicas, de Buenos Aires.



Esta doença vincula-se ao envelhecimento das articulações, ligado ao passar do tempo. Inicia-se geral, em, a partir dos 40 ou 45 anos. Porém, também pode aparecer de forma precoce como conseqüência de traumatismos ou problemas que afetem CONGÉNITOS uma articulação. Por exemplo, um displasia da cadeira é uma malformação congênita da articulação, este é um fato que predispõe uma uma artrose Precoce.



Em geral, o envelhecimento ea sobrecarga da articulação fazem com que uma cartilagem se desgaste e perca agilidade e elasticidade. Os sintomas da artrose São uma dor e um Limitação da Função articular. A Limitação do movimento DEVE-se ao fator mecânico: as superfícies articulares, em vez de estarem acolchoadas pela cartilagem, tornam-se atritam e Rugosas-se.



Artrose é o mesmo que artrite?



"A Artrite É uma doença inflamatória que pode afetar várias articulações ao mesmo tempo, por isso denomina-se Poliartrite. Não está vinculada com a idade, pois pode aparecer na juventude ", explica um especialista.



Existem distintos tipos de artrite, uma delas é a Artrite reumatóide. Esta enfermidade compromete o estado geral da pessoa, produzindo abatimento, cansaço e perda de peso. Ademais Produz inflamação, tumefação e avermelhamento da articulação. A dor é contínua em repouso ea pessoa levanta-se com muita rigidez e dor.



A artrose, ao contrário, apresenta uma dor mecânica que sente-se depois de uma articulação JAF. Geralmente é uma dor vespertina e alivia-se com o repouso. A pessoa pode levantar-se dolorida e sentir um pouco de rigidez, o que dificulta-lhe o início do movimento. Porém, em alguns minutos a rigidez desaparece ea pessoa pode movimentar-se normalmente.



A artrose diferencia-se da Artrite reumatóide pelo comprometimento do estado geral. Pessoas assíntomas E também existem, mas o médico pode Detectar um artrose em uma radiografia. Isto mostra, entre outras coisas, que o espaço ocupado pela cartilagem é menor que o habitual porque esta está deteriorada. Dado que uma cartilagem cumpre uma Função de amortecer uma pressão eo atrito entre os ossos, ao deteriorar-se, os ossos se tocam e se desgastam.



"Produz uma medida que oo osso se destrói, um-se um processo reparador que Consiste em formar novo osso, porém com características diferentes do osso normal. É o que se conhece comumente nas vértebras como Bico de papagaio, E que tecnicamente denominam-se osteofitos ", explica Dubinsky.



Como prevenir uma artrose?



Além da idade, existem fatores que favorecem o Aparecimento da artrose. Um dos mais importantes é o sobrepeso, porque Produz uma sobrecarga nas articulações. Neste sentido é importante que a alimentação consista em uma dieta balanceada e sem excesso de gorduras, para Evitar o sobrepeso. A Obesidade sempre é Acompanhada pela artrose.



Outro fator importante, assinala a Dra.. Dubinsky, é uma atividade física, como por exemplo caminhar, andar de bicicleta ou nadar. A respeito das caminhadas que realizamos quando fazemos compras e olhamos vitrines, estas não surtem nenhum efeito benéfico. Uma caminhada efetiva tem de ser contínua e com passo firme, com duração de 20 ou 30 minutos.



O exercício para ser benéfico, tem que ser sistemático e fazer com que a articulação mova-se em toda sua amplitude. O exercício é um método de prevenção e de tratamento. Neste sentido a dor é um bom indicador de limite, se há dor é sinal de que se está fazendo Exercício em excesso ou que se está fazendo da forma errada.



Com respeito à administração de medicamentos, os especialistas preferem JAF Possível uma menor quantidade de drogas, e ver quanto os pacientes pueden tratamentos Melhorar locais com, Orientados um desinflamar e acalmar a dor. Por exemplo, uma Aplicação de Ondas Curtas Através de Tratamentos de Quinesiologia.



O problema é que os antiinflamatórios Possuem efeitos secundários, em especial os problemas gástricos que estes pueden causar. Por esta razão, se o paciente tem dor mas não tem inflamação, o médico receita-lhe somente um analgésico que nao irá afetar tanto uma mucosa gástrica.



De qualquer forma, já existe uma nova geração de antiinflamatórios que inibem uma Inflamação de forma específica, sem afetar o estômago. Mas também existem outros tipos de drogas que Melhorar Apontam para uma cartilagem. "Estas drogas Aplicam-se em artroses não muito avançadas, Naquelas em que uma cartilagem Ainda não se encontra muito deteriorada", esclarece um especialista.



Estes medicamentos aparentemente nutrem uma cartilagem, ainda que seja difícil quantificar uma melhora. A especialista destaca que um paciente com artrose Não Deve Ser resistente ao uso de uma bengala, porque ela evita que uma articulação peso Carregue, desinflame POSSA-se e funcionar um pouco melhor. Também ajuda o uso de um "andador" ou colete.



O passar dos anos é irremediável. Porém, existem maneiras de retardar um pouco a aparição dos Incômodos sinais do tempo.



Copyright © 2005 Bibliomed, Inc. 01 de Agosto de 2005.

Artrite


Saiba mais sobre a artrite, suas causas, tipos, foto processo inflamatório, reumatismo



Mão de uma pessoa com artrite





Introdução



A artrite é um processo inflamatório que se manifesta nas Articulações, TENDO como conseqüência, alguns sinais e sintomas (inchaço rigidez nas articulações, dor) Decorrentes de lesões articulares.



Conhecendo a artrite



A artrite apresenta diferentes fatores desencadeantes (causas). Dependendo de sua forma de manifestação, ela PODERÁ ser classificada como Artrite Degenerativa, Artrite Gotosa, Artrite Piogênica Aguda, Artrite Psoriáca ou Artrite Reumatóide.



A Artrite Degenerativa é uma doença crônica. Um de seus principais sintomas e dor ao movimentar-se. Esta forma da doença Degenera uma cartilagem articular e causa hipertrofia nos Ossos. As articulações mais acometidas por esta doença são as do joelho, coluna espinhal e as articulações coxofemorais.



A Artrite Gotosa É uma outra forma de manifestação da artrite, acometendo, principalmente, o sexo masculino. Ela é uma Inflamação caused por microcristais minerais de urato. Ela se manifesta principalmente dedo no e dorso do pé, tornozelos, joelhos e cotovelos. Entre seus sintomas pode haver febre e Limitação de movimentos por causa da dor.



A Artrite Piogênica Aguda Afeta principalmente as articulações dos ombros, joelhos e coxofemorais. Quanto menos acometidas por este tipo de artrite são as articulações dos tornozelos, cotovelos e punhos.



A Artrite Psoríaca Possui esta definição em decorrência da doença de Pele denominada psoríase. Assim sendo, uma articulação pode ser seriamente prejudicada por esta doença.



A Atrite Reumatóide é uma doença auto-imune, ou seja, o sistema imunológico do corpo ataca seus Próprios tecidos, neste caso, o alvo será sua própria cartilagem e revestimento articular. Esta doença causa inflamação e vermelhidão da articulação acometida, dor além de inchaço, calor e perda da função.






                                                                                   

O que é Artrite



Artrite significa inflamação nas juntas. Ela pode ocorrer em uma ou em várias articulações ao mesmo tempo e se caracteriza por inchaço, vermelhidão e dor persistente na região afetada. Esses são apenas alguns dos sintomas apresentados e podem indicar a manifestação de uma série de doenças. Um dos tipos mais comuns é a artrite reumatóide (AR).



Esse tipo de artrite tem como característica as inflamações freqüentes de várias juntas ao mesmo tempo. É uma doença crônica provocada por uma alteração do sistema imune, o responsável pela defesa do nosso organismo. Devido a essa alteração, em vez de apenas nos proteger contra vírus, bactérias e outros "agentes invasores", o sistema imune passa a atacar tecidos saudáveis, promovendo inflamações em algumas partes do corpo.



Geralmente, em portadores de artrite reumatóide, as inflamações começam na membrana que envolve parcialmente as articulações, conhecida como membrana sinovial. Se não diagnosticadas e tratadas adequadamente, essas inflamações causam lesões, que podem evoluir para cartilagens, ossos e outros órgãos, causando dor, perda dos movimentos e deformidades.



No entanto, assim como as pessoas são muito diferentes entre si, a artrite reumatóide atinge os portadores da doença cada um de uma maneira. Por isso, para alguns ela pode se manifestar de forma branda e esporádica, enquanto que outros apresentam sintomas mais intensos e freqüentes. Além disso, existe hoje uma série de tratamentos e ações que podem aumentar a qualidade de vida dos pacientes, tornando o convívio com a doença mais fácil.







Causas e sintomas





Sabe-se que a artrite reumatóide é uma doença auto-imune, ou seja, uma patologia na qual o sistema de defesa da pessoa passa a atacar o próprio organismo. No entanto, os médicos ainda não têm conhecimento sobre o que desencadeia essa reação desequilibrada.



O que a medicina conseguiu apurar até agora é que a artrite reumatóide não é uma doença contagiosa nem passa diretamente de pais para filho. Na verdade, o que pode ser herdado geneticamente é a tendência a desenvolver a doença. Também têm sido feitos estudos para se verificar a influência de fatores externos e hormonais no aparecimento da AR.



O principal sintoma de quem tem artrite reumatóide são as dores persistentes nas juntas, que podem aparecer nas mãos, punhos, cotovelos, ombros, quadris, joelhos, tornozelos, pés e na mandíbula (articulação têmporo-mandibular). Essas dores são acompanhadas de inchaço e calor nas regiões afetadas e dificultam atividades do dia-a-dia, como escrever, se vestir e até mesmo dormir. Muitos pacientes se queixam de fadiga, febre, falta de apetite e rigidez matinal.



Embora com menos freqüência, existem casos em que ocorre secura na boca e nos olhos (síndrome de Sjögren), gerada pela inflamação das glândulas de saliva e lágrima. Outros sintomas raros são inflamações nos olhos (episclerite), nódulos embaixo da pele (nódulos reumatóides), inflamações das pleuras (revestimento dos pulmões), do pericárdio (revestimento do coração) e dos vasos sanguíneos (vasculite).



É muito importante consultar um médico ao notar o aparecimento ou persistência desses sintomas pois, quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, menores as chances de evolução da doença.







Tipos de Artrite



Existem mais de 100 tipos de artrite, que podem ser a manifestação de doenças diferentes. Vamos conhecer um pouco mais sobre aquelas que afetam o maior número de pessoas:



A mais comum é a artrose (ou osteoartrite), que ataca geralmente os joelhos, quadris e as mãos, gerando o desgaste dessas articulações e causando mais dor durante os dias frios. Ela é mais comum em idosos, mas pode ser diagnosticada em pessoas mais jovens. A artrose também pode ser causada por uma infecção muito forte ou mesmo por um trauma na região afetada.



Já a gota ocorre com mais freqüência em homens acima dos 40 anos e está relacionada com o aumento de ácido úrico no sangue. O excesso dessa substância no sangue provoca o acúmulo de cristais nos tecidos, em especial nas articulações e nos rins. Pacientes com gota devem ter um cuidado especial com a alimentação para evitar crises ou a evolução da doença para um quadro crônico.



Mais comum em mulheres acima dos 30 anos, a fibromialgia atinge cerca de 5% da população e é um desafio para os médicos. Afinal, a doença causa dor nas juntas (e muitas vezes no corpo todo), fadiga e distúrbios no sono, mas não há como diagnosticá-la por meio de exames laboratoriais. Muitos pacientes passam por diversos consultórios antes de receber diagnóstico e tratamento adequados.



A artrite também pode ser sintoma de lúpus eritematoso, uma doença auto-imune que afeta os tecidos de todo o organismo. O lúpus eritematoso é mais comum em mulheres jovens, em idade fértil, por isso acredita-se que seu aparecimento esteja ligado a alterações hormonais. Seus sintomas também variam de pessoa para pessoa e incluem manchas na pele, fadiga, dor e inflamação nas juntas.



A artrite reumatóide juvenil é a forma mais comum de artrite em crianças e adolescentes e apresenta sintomas que variam de paciente a paciente. Não se conhecem suas causas, mas acredita-se que a tendência a desenvolvê-la seja transmitida hereditariamente e a doença seja desencadeada por fatores ainda desconhecidos. Quando diagnosticada e tratada corretamente, a criança tem a possibilidade de crescer e desenvolver-se normalmente.



Já a artrite reumatóide atinge as mulheres com mais freqüência, porém todos podem desenvolvê-la. Seja em jovens ou idosos, a artrite reumatóide ocorre em todos os grupos étnicos e em todas as partes do mundo. Os sintomas apresentados variam de pessoa para pessoa, assim como a intensidade e a evolução da doença. Em todo este site você vai encontrar informações sobre a artrite reumatóide e como conviver com ela, melhorando sua qualidade de vida.



A artrite reumatóide é uma doença crônica, isto é, vai acompanhá-lo ao longo de sua vida.



No entanto, ao receber o tratamento adequado, você evita ou minimiza os impactos da AR no organismo. Por isso, conversar com o médico regularmente, seguir suas orientações e tirar dúvidas é muito importante para que seu tratamento seja efetivo.



Além disso, a ciência tem conseguido avanços significativos tanto no entendimento da doença quanto na descoberta de medicamentos e terapias que garantem diminuição da dor, reduzem a progressão da doença e melhoram consideravelmente a qualidade de vida de quem tem AR.



Hoje existe uma variedade muito grande de medicamentos que são utilizados com sucesso no tratamento da artrite reumatóide. Isso acontece pois cada paciente desenvolve a doença de uma forma e, assim, o que serve para uma pessoa pode não fazer efeito em outra. Por isso, somente um médico pode identificar o que é melhor para seu caso, selecionando quais drogas são indicadas para você em cada momento do tratamento.



Os remédios para tratamento da artrite reumatóide são divididos em Medicamentos sintomáticos e Drogas modificadoras do curso da doença (DMARDs). Normalmente, o seu reumatologista irá indicar uma combinação de dois ou mais medicamentos, de acordo com as necessidades do seu organismo, e depois vai acompanhar suas respostas ao tratamento, solicitando exames periodicamente.





Para que seu tratamento seja satisfatório e atenda às suas expectativas, é muito importante que você leve em consideração os seguintes pontos:





alguns remédios chegam a demorar meses para que possamos perceber seus efeitos. Por isso, não pare o tratamento se não notar resultados e, principalmente, não faça isso sem o consentimento de seu médico;

todo medicamento, mesmo aqueles vendidos sem receita médica, pode causar efeitos colaterais. Assim, você deve relatar a seu médico qualquer reação inesperada durante o tratamento;

antes de começar a tomar os novos remédios, fale com seu médico sobre outros medicamentos que já esteja tomando e pergunte sobre as possíveis reações de cada droga que você terá de tomar;











a maioria dos medicamentos, seja qual for sua aplicação, não é recomendada para gestantes, por isso, fale com seu médico sobre métodos de controle de natalidade que você pode usar durante o tratamento e o que deve fazer quando decidir ter filhos;

conte sempre com seu médico, ele sempre será o principal aliado na busca pelas melhores opções de tratamento e uma melhor qualidade de vida.

Espondilite anquilosante











Espondilite anquilosante

Nova técnica garante maior autonomia

Finalmente, boas notícias para quem sofre de espondilite anquilosante, uma doença altamente debilitante: a fisioterapia consegue minimizar os sintomas e devolver total autonomia aos doentes.



A espondilite anquilosante é uma doença crónica inflamatória que afecta as articulações sacro-ilíacas e a coluna vertebral e, com menor frequência, as articulações periféricas. As primeiras manifestações clínicas ocorrem a nível da região lombar comprometendo a lordose lombar fisiológica.



Progressivamente, afecta os segmentos dorsal e cervical, já que o processo se desenvolve de uma forma ascendente. No entanto, através da fisioterapia, é possível travar o curso da doença. Para saber mais sobre o papel da fisioterapia no tratamento espondilite anquilosante, consulte o site www.anea.site.vu.









A responsabilidade editorial e científica desta informação é da revista